Instituto-Afeto-Doação-de-Embriões-Interna-Site.png

Como funciona a adoção de embriões

No universo da Reprodução Humana Assistida existe uma alternativa ainda pouco conhecida entre mulheres e casais que desejam ter filhos, a adoção de embriões.

É normal nos tratamentos de fertilização in vitro um casal ter vários embriões. Geralmente, 1 ou 2 são transferidos e os excedentes são congelados.

Se o casal engravidar de primeira e não desejar ter mais filhos, existe a opção de fazer uma doação voluntária dos excedentes de embriões congelados.

Para quem é indicada?

  • Casais com problemas genéticos ou infertilidade sem causa aparente (ISCA).

  • Mulheres na menopausa ou com baixa reserva ovariana.

  • Produção independente.

  • Casais homoafetivos masculinos.

  • Mulheres e casais que procuram um tratamento de baixo custo.

Como adotar um embrião?

Primeiramente, deve-se procurar um especialista em reprodução humana para realizar os exames necessários e preencher um cadastro de receptores.

O médico é responsável pela escolha dos doadores, com o objetivo de garantir o sigilo obrigatório sobre a identidade dos doadores e receptores e, também, a maior semelhança fenotípica e compatibilidade possível com a receptora.

O tempo de espera dependerá da disponibilidade de embriões com as características dos receptores na clínica ou laboratório.

A adoção de embriões ainda envolve os custos de preparo de endométrio da receptora, descongelamento e transferência dos embriões.

As chances de sucesso estão diretamente ligadas a qualidade do embrião e, também, do útero e receptividade do endométrio da futura mamãe.