Image by Filip Mroz

Blog

Buscar

Endometrite


A camada interna do útero é chamada de endométrio. Sob estímulo dos hormônios

reprodutivos — estrogênio e progesterona — o tecido endometrial altera suas características

ao longo do ciclo menstrual, tornando-se mais espesso após a ovulação e adquirindo um

fenótipo receptivo para receber um embrião. Contudo, a receptividade uterina pode ser

prejudicada pela endometrite, uma inflamação no endométrio.


A endometrite pode deixar o ambiente intrauterino desfavorável para iniciar uma gestação. A

doença está associada à infertilidade, podendo ocasionar falhas de implantação embrionária e abortamentos. Portanto, trata-se de um quadro que precisa ser corretamente tratado antes

das tentativas de gravidez — tanto por métodos naturais quanto com o auxílio da reprodução

assistida.

Um agravante da endometrite é o seu caráter silencioso. Enquanto aguda, a doença pode

apresentar sintomas que duram pouco tempo e nem sempre são intensos a ponto de motivar a busca por tratamento. Já em sua forma crônica, a endometrite é assintomática na maior parte dos casos, fato que retarda a confirmação diagnóstica. Entretanto, uma investigação

aprofundada da infertilidade feminina pode ajudar a detectar a inflamação.


Quais são as causas de endometrite?


A endometrite é causada pela ação de bactérias. Entre os patógenos mais frequentemente

encontrados estão os causadores de infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) — sendo

clamídia e gonorreia as mais prevalentes. Microrganismos comuns de doenças dos tratos

urinário e intestinal, como Escherichia coli, Staphylococcus e Enterococcus, também podem

causar inflamação no endométrio.


Comumente, a infecção começa no trato genital inferior e progride para os órgãos superiores

do sistema reprodutor, incluindo útero, tubas uterinas e ovários. Nesses casos, várias

estruturas são acometidas de modo simultâneo, caracterizando um quadro de doença

inflamatória pélvica (DIP).


Alguns procedimentos médicos configuram fatores de risco para endometrite, visto que

facilitam a entrada dos agentes infecciosos na cavidade uterina. Cesariana, trabalho de parto

normal prolongado, curetagem pós-aborto, biópsia endometrial e cirurgias como miomectomia e polipectomia são exemplos de situações que permitem o acesso de patógenos.


Quais sintomas estão associados à endometrite?


Pacientes com endometrite no estágio crônico normalmente não apresentam sintomas

significativos. Enquanto doença aguda, a inflamação pode provocar:

  •  dor forte na parte baixa do abdome (entre o umbigo e a área púbica);

  •  dor em toda região pélvica;

  •  corrimento vaginal com coloração amarelada e mau odor;

  •  sangramento anormal;

  •  inchaço no abdome;

  •  sensibilidade uterina, verificada no exame ginecológico;

  •  dor durante o sexo;

  •  episódios de febre e mal-estar.

Como é feito o diagnóstico de endometrite?


Para chegar ao diagnóstico de endometrite, o primeiro passo é a avaliação clínica. A anamnese e o exame físico permitem a identificação sintomas que revelam o quadro inflamatório, como a sensibilidade uterina durante o exame ginecológico, além das manifestações relatadas pela paciente.

Também são realizadas análises laboratoriais para detectar a presença de microrganismos

infecciosos, a partir da coleta de urina, sangue e secreção vaginal. A histeroscopia ambulatorial pode ser solicitada para inspecionar diretamente as alterações intrauterinas e realizar uma biópsia do endométrio para estudo histopatológico.


Quais são as formas de tratar a endometrite?


A endometrite é tratada com medicamentos e, se houver alterações nas funções reprodutivas

e intenção de gravidez, a paciente pode buscar auxílio nas técnicas de reprodução assistida.


Medicamentos

O tratamento medicamentoso visa a interrupção da ação dos patógenos e pode ser feito com

antibióticos de amplo espectro, como doxiciclina e azitromicina, via oral ou injetável. O uso de

anti-inflamatórios também é indicado em casos sintomáticos, sobretudo na fase aguda da

endometrite.


Reprodução assistida

Como vimos, a endometrite pode interferir nas características intrauterinas e tornar o

endométrio menos receptivo para o embrião, ocasionando falhas de implantação e

abortamentos. A infertilidade pode persistir mesmo após a administração dos medicamentos,

sobretudo se houve demora na busca por tratamento. Nesses casos, a fertilização in vitro

(FIV) é a opção mais promitente.


O tratamento padrão de FIV envolve uma série de etapas com procedimentos que favorecem o processo de reprodução humana. Contudo, é possível melhorar ainda mais as possibilidades de gravidez do casal infértil com técnicas complementares. Nos casos de endometrite, é indicado o teste de receptividade endometrial — Endometrial Receptivity Array (ERA).

O teste ERA é uma ferramenta de análise molecular que avalia a interação dos genes

envolvidos no fenótipo receptivo do endométrio. Para realizar o teste, os embriões gerados por FIV são congelados e uma amostra de células endometriais é coletada e analisada no período do ciclo reprodutivo em que seria feita a transferência dos embriões.

A análise revela se o endométrio está receptivo ou não receptivo durante esse período. Se o

resultado for positivo, a transferência embrionária é agendada para o ciclo seguinte, durante

os dias correspondentes à janela de implantação — momento de melhor receptividade uterina.

Diante de um resultado não receptivo, nova avaliação pode ser necessária em outra fase do

ciclo.

Outros dois métodos de análise complementam o ERA e podem apresentar resultados mais

precisos em casos de endometrite. O teste EMMA avalia a presença de bactérias saudáveis no endométrio, enquanto o ALICE rastreia os patógenos causadores de endometrite crônica. São, portanto, ferramentas de grande relevância aplicadas nos tratamentos de FIV, visto que

podem melhorar as chances de implantação embrionária e confirmação da gravidez.